'Vou viver até os 100 para criar minha filha', diz mulher que deu à luz aos 64 anos

“Vou viver até os 100 anos para criar a minha filha”, contou ao G1 a advogada Norma Maria de Oliveira, de 64 anos, que deu à luz Ana Letícia de Oliveira Couto, que completa 4 meses em 10 de agosto. Norma fez uma fertilização in vitro com óvulos doados anonimamente e espermatozoides do companheiro, de 50.

Ao todo, pelo tratamento, desembolsou R$ 25 mil e disse que teve sorte porque engravidou na primeira tentativa. “Quinze dias depois do procedimento fiz um teste e deu positivo”, contou entusiasmada.

A advogada mora com a filha em João Monlevade, na Região Central de Minas Gerais, e disse que o sonho foi gestado durante 30 anos e se tornou realidade em abril com a chegada de Ana Letícia, que está bem, apesar das dores de barriga comuns nesta idade.

Pior do que as cólicas, Norma disse que enfrentou preconceito, principalmente por parte de mulheres. “Uma chegou a me perguntar como eu tive coragem de ser mãe aos 64 anos”.

Aninha, como é chamada pela mamãe coruja, está esperta e vem se desenvolvendo bem. Quando nasceu, prematura, aos oito meses de gestação, pesava 1,7kg e media 43cm.


Embriões guardados
A mãe falou que ainda tem três embriões guardados na clínica em Belo Horizonte onde ela fez a inseminação artificial, mas que não quer fazer outro tratamento para engravidar.

Norma pretende fazer o batizado da filha quando a criança completar seis meses de idade. Os padrinhos serão uma sobrinha e o marido dela. “Eles são novos porque se acontecer alguma coisa comigo eles cuidam dela para mim”.

Ela comentou que mesmo com a chegada de Ana Letícia continua na fila de adoção e quer um menino de pele parda para ser o irmãozinho da garotinha.(Fonte: G1)


Comentários