Creluz

Traduzir Página

sexta-feira, 27 de abril de 2018

Avião da Chape estava em situação de emergência 40 minutos antes de cair, aponta relatório

Aeronáutica Civil da Colômbia divulgou, nesta sexta-feira, o relatório com as conclusões sobre o acidente com o avião da Chapecoense - que matou 71 pessoas e deixou seis feridas. De acordo com a investigação, 40 minutos antes de cair, o avião já estava em situação de emergência e a tripulação não acionou o controle de tráfego para pedir prioridade no pouso.

"(Quarenta minutos antes do acidente) houve na cabine da aeronave uma indicação do nível de combustível baixo. Neste momento, o avião já estava em uma situação de emergência", comentou o coronel Miguel Camacho, chefe do grupo de investigações de acidentes da Aeronáutica Civil da Colômbia.

Além disso, como já havia sido apontando em relatório preliminar, a aeronave LMI 2933 estava com pouco combustível. Para realizar a rota Santa Cruz-Rio Negro as normas internacionais exigem quantidade mínima de 11.603 quilos de combustível, o avião da LaMia tinha apenas 9.300 kg - 2.303 quilos a menos do que o determinado.

A investigação - que contou com autoridades e instituições da Colômbia, Bolívia, Brasil, Estados Unidos e Inglaterra - ressaltou ainda que a tripulação e a empresa - mesmo sabendo que a quantidade não era suficiente - não optaram por aterrizar em outro aeroporto. "A tripulação descartou pousar em Bogotá ou outro aeroporto para reabastecer", destacou o documento.

O relatório também conclui como causa para o grave acidente a falta de organização da LaMia, a falta de escala no plano de voo, a difícil situação econômica pela qual a empresa passava, problemas na gestão de segurança operacional e a falta de cumprimento das políticas de voo.

A investigação libera os controladores de tráfego aéreo de Rio Negro de qualquer responsabilidade. As primeiras investigações revelaram que o avião estava com pouco combustível e com excesso de peso. O piloto, que também faleceu na queda, foi responsabilizado e uma dezena de funcionários da companhia aérea e do Estado estão presos na Bolívia.

O acidente

Em 28 de novembro de 2016, o avião, que havia decolado da Bolívia, caiu em Cerro El Gordo, a cerca de 2.600 metros de altura. A aeronave estava prestes a aterrizr no aeroporto internacional de Rionegro, destino final, quando houve o acidente.

A Chape estava indo para sua primeira final internacional contra o Atletico Nacional pela Copa Sul-Americana. Na queda, 71 pessoas perderam a vida, incluindo 19 jogadores, 14 membros da comissão técnica e nove diretores do clube. Apenas seis sobreviveram: uma comissária de bordo, um técnico de aviação, um jornalista e três jogadores.(Fonte: Correio do Povo)

Nenhum comentário:

Postar um comentário